BIOFETILIZANTE DIMU: UMA ALTERNATIVA PARA A OLERICULTURA - FASE IV

Ciências Agrárias

ID 260-2020
Anos Finais do Ensino Fundamental Ensino Médio/Técnico

4ª FEMIC Jovem

Autores

Geovanna Rúbia Troller
Samara do Nascimento Viliares
Dionéia Schauren (Orientadora)

Toledo, Paraná

Colégio Estadual Jardim Porto Alegre

FLIPBOOK do Trabalho

Utilizamos a urina de vaca como um biofertilizante de fácil acesso e baixo custo no intuito de diminuir o uso de agroquímicos utilizados hoje em dia que prejudicam o meio ambiente e a saúde dos consumidores.

[3d-flip-book mode="fullscreen" id="1794" ][/3d-flip-book]

REsumo Científico

A urina de vaca pode-se considerar um subproduto da atividade leiteira. E também é um biofertilizante orgânico de baixo custo e fácil acesso, sendo utilizado em diferentes culturas. 1ª etapa campo: O objetivo foi avaliar diferentes concentrações de urina de vaca no cultivo de Repolho Roxo (Brassica
oleracea var. capitata f. rubra) e Repolho Branco (Brassica oleracea var. capitata). O estudo é realizado na horta experimental do Colégio Estadual Jardim Porto Alegre. Primeiramente limpamos dos canteiros afofamos a terra, a adubamos com esterco bovino e plantamos as mudas que foram submetidas a aplicações de diferentes concentrações do biofertilizante a base de urina de vaca. Sendo elas (0; 1; 2; 3, 5, 7,10, e 12%) via solo quinzenalmente e foliar de sete em sete dias. Após 4 meses serão levadas ao laboratório e realizara a avaliação, o projeto se encontra em andamento.
2ª etapa Microrganismos do solo: O objetivo foi avaliar o efeito da urina de vaca nos microrganismos do solo. Autoclavamos as placas de petri, durante esse processo foi preparado o meio BDA que também foi autoclavado, logo em seguida identificamos as placas e distribuímos o meio nelas, em seguida foi adicionada um pouco de terra de cada canteiro nas placas, as embalamos com plástico filme e levamos para a BOD
para o crescimento dos fungos onde avaliamos durante 20 dias. Concluímos então que a urina não interfere nos microrganismos do solo, pois eles crescerem igualmente em todas as concentrações. 3ª etapa Germinação em placa: Avaliar o efeito de diferentes concentrações de urina de vaca no desenvolvimento de sementes de milho (Zea mays) e soja (Glycine max). As placas de petri foram preparadas ,e logo em seguida cortamos o papel germiteste e adicionamos dentro da placa, foi utilizadas 20 sementes em cada placa contendo cinco repetição e foram adicionas as diferentes porcentagens de urina.

Para qualquer dúvida, envie um email para os autores

É proibida a reprodução, a distribuição, a transmissão, a exibição, a publicação ou a divulgação, total ou parcial, sem prévia e expressa autorização dos autores e a FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.


Coordenação geral: Fernanda Aires Guedes Ferreira
Vice Coordenação: Larissa Amaral Diniz Tomaz
contato@femic.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui