PRODUÇÃO DE PROTÓTIPOS DE POLÍMEROS BIODEGRADÁVEIS UTILIZANDO AS PROPRIEDADES DE FRUTAS TROPICAIS

Engenharias

ID 448-2020
Anos Finais do Ensino Fundamental Ensino Médio/Técnico

4ª FEMIC Jovem

Autores

Juleane Lemes da Silva
Maria Luane Francisco de Castro
Thalia Adriely Vieira Hartwig
João Alberto Leão Braccini (Orientador)

Sapucaia do Sul, Rio Grande do Sul

Escola SESI de Ensino Médio Arthur Aluízio Daudt

FLIPBOOK do Trabalho

Sabe-se que os plásticos trazem grandes problemas ambientais devido ao seu tempo de decomposição e descarte incorreto, o projeto tem como objetivo minimizar esta problemática com a criação de polímeros biodegradáveis provenientes do caroço de frutas.

[3d-flip-book mode="fullscreen" id="1809" ][/3d-flip-book]

REsumo Científico

O plástico sintético, originado das resinas do petróleo, recebeu grande destaque por conta de sua acessibilidade econômica. Entretanto, essa significativa demanda ocasionou problemas ambientais, proveniente do descarte incorreto e acumulação em aterros sanitários, uma vez que polímeros sintéticos levam aproximadamente duzentos anos para a degradação completa, necessitando a criação de alternativas biodegradáveis ao plástico proveniente do petróleo. O caroço de abacate (Persea americana) e o endocarpo da manga (Mangifera indica L.) apresentam grande potencial para criação desses biopolímeros. A presente pesquisa possui como objetivo principal elaborar polímeros biodegradáveis, utilizando o amido proveniente de caroço de frutas tropicais. A partir do biopolímero, fabricar utensílios de uso único, como colheres de plásticos, e viseiras de proteção, visando amenizar o impacto ambiental e suprir as demandas provenientes da atual pandemia. A primeira etapa para a realização dos testes segue no preparo da farinha do caroço do abacate e endocarpo da manga. Após isso, ocorre a elaboração das colheres biodegradáveis tendo, posteriormente, os testes de qualidade divididos em duas partes: aspectos visuais e biodegradação. O bioplástico feito a partir do caroço do abacate atende o esperado para a criação das colheres e, para que os utensílios descartáveis apresentem rigidez e transparência, o uso do endocarpo da manga nos testes iniciaram e estão adaptados para ambiente domiciliar. Vale destacar que a colher é um objeto molde que servirá de base para criação de outros utensílios, como a viseira de proteção, utilizada como recurso para diminuir a disseminação da Covid-19. Assim, a produção de colheres biodegradáveis para fins alimentícios e de viseiras para proteção individual, através da utilização das propriedades do caroço de frutas tropicais, possibilita maneiras diversificadas de amenizar os problemas ambientais que a produção polimérica convencional carrega.

Para qualquer dúvida, envie um email para os autores

É proibida a reprodução, a distribuição, a transmissão, a exibição, a publicação ou a divulgação, total ou parcial, sem prévia e expressa autorização dos autores e a FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.


Coordenação geral: Fernanda Aires Guedes Ferreira
Vice Coordenação: Larissa Amaral Diniz Tomaz
contato@femic.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui