BEEP DRIVE: UM DISPÔSITIVO PARA AUXILIAR A MOBILIDADE DE PESSOAS SURDAS OU COM LIMITAÇÕES AUDITIVAS

Ciências Exatas e da Terra

ID 301-2020
Ensino Médio/Técnico

4ª FEMIC Jovem

Autores

Pedro Gentil Roodes Rodrigues, Victor Morais Barbosa Teixeira, Willian Roberto da Silva Botelho, Joseane Angela Pasqualli do Amaral (Orientadora), Isadora de Leon Torres (Coorientadora)

Pelotas, RS

Escola SESI de Ensino Médio Eraldo Giacobbe

FLIPBOOK do Trabalho

O Beep Drive é um dispositivo com o intuito de realizar a conversão de sinais sonoros de alerta do ambiente urbano em sinais físicos e visuais, possibilitando a autonomia na mobilidade da comunidade surda.

[3d-flip-book mode="fullscreen" id="1914" ][/3d-flip-book]

REsumo Científico

O projeto Beep Drive configura-se como um dispositivo de baixo custo que visa possibilitar a autonomia na mobilidade de indivíduos surdos ou com limitações auditivas. Pensando em melhorar a segurança coletiva dos condutores e pedestres, o foco principal do estudo busca ampliar soluções para que essa comunidade possa trafegar com maior autonomia em vias urbanas. Neste sentido, a pesquisa busca relacionar as temáticas de “acessibilidade” e “tecnologias”, através da construção de um protótipo de funcionamento híbrido, o qual é capaz de traduzir os sons como buzinas, sirenes e freadas bruscas em estímulos visuais. A estrutura do protótipo é codificada através de um Kit Arduíno e circuito linear, construído em uma placa de circuito impresso, usando componentes eletrônicos, habilitados para converter sons de alerta em corrente elétrica descarregada em leds. Um dos objetivos do projeto, além dos fatores que foram elencados anteriormente, é a possibilidade de diferentes calibragens do dispositivo para ser utilizado em outros lugares como nos ambientes domésticos e também na indústria. Esse projeto tem natureza interdisciplinar, mobilizando as áreas de Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Linguagens, cada qual contribuindo com conhecimentos específicos dos componentes curriculares que as compõem. A matemática, a física e a música abordaram os temas do cálculo das frequências e das ondas sonoras (hertz, decibéis) e na sociologia foram estudadas as questões sociais relativas à inclusão. Até o presente momento, a pesquisa está em fase de produção/coleta de dados e aperfeiçoamento do protótipo. Para tanto, foram ouvidos analistas técnicos de ações inclusivas e professores de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O protótipo não tem a intenção de ser um elemento que resolverá os problemas referentes à audição. No entanto, poderá contribuir para a diminuição das diferenças entre ouvintes e não ouvintes, proporcionando uma melhoria na qualidade de vida.

Para qualquer dúvida, envie um email para os autores

É proibida a reprodução, a distribuição, a transmissão, a exibição, a publicação ou a divulgação, total ou parcial, sem prévia e expressa autorização dos autores e a FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.


Coordenação geral: Fernanda Aires Guedes Ferreira
Vice Coordenação: Larissa Amaral Diniz Tomaz
contato@femic.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui