A MOTIVAÇÃO NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ADICIONAIS: CONSCIÊNCIA PLURILÍNGUE OU CONCEPÇÃO DE
LÍNGUA ÚNICA

Linguística, Letras e Artes

ID 459-2020
Ensino Médio/Técnico

4ª FEMIC Jovem

Autores

Gabriela Altenhofen, Júlia Gutheil, Maria Eduarda Loch, Priscila Ligoski (Orientadora), Luana Zanon (Coorientadora)

Porto Alegre, RS

Colégio Farroupilha

FLIPBOOK do Trabalho

A motivação influencia a aprendizagem de línguas adicionais, sendo que há a concepção de língua única e a consciência plurilíngue. Comparando-as, a primeira, liderada pelo inglês, não oferece tamanha motivação e menospreza outras línguas.

[3d-flip-book mode="fullscreen" id="1879" ][/3d-flip-book]

REsumo Científico

Discute-se a motivação na aprendizagem de línguas adicionais, abordando consciência plurilíngue e concepção da língua única. Com a globalização, impera a ideia de que o inglês, como língua dominante no contexto internacional, bastaria em qualquer situação. Esse conceito, chamado “concepção de língua única”, tem levado ao menosprezo da aprendizagem de línguas diferentes do inglês, consequentemente, dispensáveis. Ao mesmo tempo, empreendem-se esforços para destacar a relevância da “consciência plurilíngue” para o desenvolvimento linguístico. A partir desse antagonismo, objetiva-se analisar o papel da motivação e como ela atua no contexto escolar. Nossa hipótese é que aprendizes que exaltam o papel da língua única manifestam menos motivação e mais dificuldades de aprendizagem, contrariamente a aprendizes com consciência plurilíngue. Como metodologia, ao lado da pesquisa em artigos da área, foi aplicado a diferentes participantes do contexto escolar questionário para preenchimento no Google Formulários. Foram também recolhidos dados pela “observação participante” feita por membros do grupo em situações do cotidiano escolar. Assim, elencaram-se argumentos e os resultados mostram que, aproximadamente, 50% dos entrevistados escolhem o inglês, e os outros são abertos à aprendizagem de diferentes línguas, ou seja, demonstram consciência plurilíngue. Não está claro se existe uma correlação desses resultados com o desempenho e a motivação para estudo de línguas, exigindo análise mais aprofundada desse aspecto. A observação participante, por outro lado, mostrou que aqueles que reforçam o inglês costumam manifestar com ênfase a sua posição, reiterando a dominância já exercida por essa língua na sociedade. Apesar das perguntas ainda existentes, é relevante a discussão sobre tal antagonismo, já que traz implicações para a motivação no campo da aprendizagem.

Para qualquer dúvida, envie um email para os autores

É proibida a reprodução, a distribuição, a transmissão, a exibição, a publicação ou a divulgação, total ou parcial, sem prévia e expressa autorização dos autores e a FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.


Coordenação geral: Fernanda Aires Guedes Ferreira
Vice Coordenação: Larissa Amaral Diniz Tomaz
contato@femic.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui