LER PARA SENTIR, LER PARA ENTENDER - A VOZ NEGRA E MARGINALIZADA NO QUARTO DE DESPEJO

Linguística, Letras e Artes

ID 349-2020
Anos Finais do Ensino Fundamental Ensino Médio/Técnico

4ª FEMIC Jovem

Autores

Anna Clara Leite Barone
Graciele Batista Gonzaga (Orientadora)

Betim, Minas Gerais

Colégio Santa Maria

FLIPBOOK do Trabalho

O projeto “Ler para sentir, ler para entender” compreende melhor o ponto de vista e os sentimentos dos que vivenciam, atualmente, condições parecidas, ou iguais, a de Carolina Maria de Jesus em seu livro “Quarto de Despejo: diário de uma favelada”.

[3d-flip-book mode="fullscreen" id="2043" ][/3d-flip-book]

REsumo Científico

Esta pesquisa, “Ler para sentir, ler para entender” tem como objetivo resgatar o ponto de vista dos que vivenciam atualmente condições parecidas ou iguais a de Carolina Maria de Jesus em seu livro Quarto de Despejo: diário de uma favelada por meio de um inventário de sentimentos. Nesse sentido, entende-se que é necessário criar um panorama sobre os registros da obra e enfatizar os sentimentos expressos neles como meio de valorização da Literatura de Mulheres Negras no Brasil. Além disso, comemora-se em 2020, os sessenta anos de publicação de uma obra prima da história literária brasileira, de tal modo, que esse estudo pode lembrar trechos que perpassam ainda a sofrida vida do brasileiro nas periferias urbanas. Estudar os sentimentos de Carolina é dar voz a quem pertence a um grupo que é calado pelo governo: os “favelados”, é transpor do básico e generalizado conhecimento sobre o cotidiano nas comunidades e o que os moradores podem sentir sobre isso. Vê- se uma necessidade de filtrar os momentos de maior tensão e mais impacto durante a narração para apurar essa face sensível da produção e divulgá-los em espaços virtuais, como murais ou Instagram para reviver as memórias singulares de uma figura literária tão significativa para história dessa nação. Para isso, optou-se por uma pesquisa bibliográfica, assim como a apreciação do texto literário, catalogando, assim, as angústias da narradora-catadora. Foram retomados estudiosos da área de Literatura como Joel Rufino dos Santos (2009), em Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável, Extraordinárias mulheres que revolucionaram o Brasil, de Duda Porto de Souza e Aline Arruda (2015), Carolina Maria de Jesus : projeto literário e edição crítica de um romance inédito, para fundamentar a leitura e a análise do texto literário. Desse modo, escolheu-se mapear as cenas de maior força e construir um álbum de sentimentos para compartilhar as percepções literárias, como também comemorar seus 60 anos de publicação.

Para qualquer dúvida, envie um email para os autores

É proibida a reprodução, a distribuição, a transmissão, a exibição, a publicação ou a divulgação, total ou parcial, sem prévia e expressa autorização dos autores e a FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.


Coordenação geral: Fernanda Aires Guedes Ferreira
Vice Coordenação: Larissa Amaral Diniz Tomaz
contato@femic.com.br

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui